Você está aqui: Página Inicial > Acesso à Informação > Perguntas frequentes

Perguntas frequentes

por Brasil publicado 04/06/2013 10h12, última modificação 01/04/2016 11h54
Lista com perguntas que esclareçam como é a atuação daquele órgão dentro da estrutura do governo federal

1. O que é o SINESP?
O Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública, Prisionais e Sobre Drogas, é um portal de informações integradas, em parceria com os entes federados, possibilitando consultas estatísticas, operacionais, investigativas e estratégicas relacionadas a drogas, segurança pública, justiça criminal, sistema prisional, entre outras. O Sinesp subsidiará diagnósticos de criminalidade, formulação e avaliação de políticas de segurança pública e promoverá a integração nacional de informações de forma padronizada.


2. Por que não consigo visualizar, nos relatórios atuais, alguns dados que foram apresentados nos relatórios anteriores?
Identificando-se necessidade de qualquer tipo de retificação de informações já apresentadas, a base de dados de estatística é limpa e fica aguardando a consolidação dos novos dados, por parte do estado. Desta forma, é possível que em determinados períodos os relatórios possam ser gerados antes da nova alimentação, fazendo com que os dados e informações já apresentadas anteriormente não possam ser visualizadas até que haja uma nova atualização das informações do sistema.


3. Como a base de dados estatística do SINESP e alimentada?
Atualmente esta base é alimentada por meio do Sistema Nacional de Estatística de Segurança Pública - SINESPJC. Este sistema foi implantado em 2004 pela SENASP com o objetivo de coletar dados criminais e atividades de polícia registradas pelas Polícias Civis e Militares das 27 Unidades da Federação. Logo que todos os entes federados tenham suas bases de dados integradas diretamente ao SINESP, este processo de coleta deixará de ser utilizado, pois utiliza-se de mecanismos manuais para o envio dos dados.


4. Qual o período que as Unidades da Federação tem para enviar os dados?
Os dados devem ser enviados e retificados no período máximo de 90 dias (60 dias para envio e 30 dia para retificações). Exemplificando: dados de JANEIRO DE 2014 devem ser enviados até o dia 31 de março de 2014, tendo ainda até o dia 30 de abril para eventuais e necessárias correções.


5. Após os 90 dias, as Unidades de Federação podem enviar os dados?
Sim, com pena de responderem como INADIMPLENTES no que diz respeito a cláusula 4ª do Termo de Adesão ao SINESP. O não envio dos dados no período de 90 dias não impossibilita o envio tardio, mas irá prejudicar os entres federados na distribuição de recursos do Governo Federal, no que tange a área da segurança pública, pois os dados enviados são utilizados nos índices e cálculos que norteiam os recursos que serão disponibilizados aos entes federados para o celebração de convênios entre os Estados, o Distrito Federal e a União.


6. Quem são os responsáveis pela gestão do SINESP nas Unidades de Federação?
São os Gestores Estaduais do SINESP. Servidores indicados e nomeados pelos Secretários Estaduais de Segurança Pública/Defesa Social. Cada Unidade da Federação possui 03 Gestores, com seus respectivos suplentes: Estatística e Analise Criminal, Tecnologia da Informação e de Inteligência.


7. Quais as instituições que enviam dados estatísticos para o SINESP?
Atualmente, a base do SINESP é alimentada com dados enviados pelas Polícias Civis e Militares. Como o SINESP é um sistema modular, com o decorrer do tempo, novas instituições parceiras iniciarão o processo de envio dos seus dados.

8. Por que os relatórios não trazem informações do ano atual?
As unidades federativas e órgãos parceiros são responsáveis pelo processo de alimentação da base de dados do SINESP. Desta forma, é necessário um período de envio, tratamento e análise dos dados antes de qualquer divulgação. Isto se faz necessário para evitar a publicação de dados inconsistentes.

9. Por que os relatórios só disponibilizam dados e informações dos entes federados e Brasil? Seria possível gerar relatórios por municípios, bairros, quadras ou outras regiões?
Até que os sistemas das unidades federativas estejam integrados ao SINESP, não será possível gerar estatísticas além de municípios e Brasil, pois a atual base de dados utilizada pelo SINESP impossibilita a geração de relatórios mais detalhados. Cabe destacar que, até dezembro de 2012, só era possível consultar dados desagregados para os municípios com população superior a 100 mil habitantes. A partir de janeiro de 2013 será possível consultar qualquer município, independente de sua população.


10. Existe algum processo de validação das informações enviadas pelas unidades federativas?
Periodicamente a SENASP extrai os dados enviados pelas unidades federativas para validação e a geração de estatísticas e relatórios. Ao detectar qualquer tipo de inconsistência o Gestor Estadual responsável é contactado para realizar uma análise mais detalhada e, havendo a necessidade, aplicar as devidas medidas corretivas.


11. Os dados criminais divulgados no Anuário Brasileiro de Segurança Pública são os mesmos disponibilizados pelo SINESP?
Sim. Mas Infelizmente algumas unidades federativas não conseguem atender ao período de 90 dias para o envio e retificações de alguns dados. Devido a isto, algumas unidades federativas encaminham suas informações por meio de planilhas eletrônicas para que sejam divulgadas no anuário e somente após são enviadas ao SINESP.


12. O Aplicativo Sinesp Cidadão será disponibilizado para o sistema operacional BlackBerry?
Sim. Esta melhoria já está na pauta para o Sinesp Cidadão. Entretanto, como o aplicativo ainda está passando por melhorias para garantir mais informações e maior disponibilidade, está prevista e estará disponível nas próximas atualizações.


13. Qual a base de dados que o Aplicativo Sinesp Cidadão utiliza?
O módulo CheckPlaca do Sinesp Cidadão utiliza informações do banco de dados do Departamento Nacional de Trânsito, DENATRAN, que são cadastradas pelos órgãos responsáveis de cada ente federativo.


14. Por que, ao consultar um veículo que realmente encontra-se furtado/roubado, o aplicativo Sinesp Cidadão dá a resposta de "Situação Legal"?
A informação de furto/roubo de veículos é encaminhada ao DENATRAN através dos registros de boletins de ocorrências das delegacias de Polícia Civil de todo o país. Caso o usuário tenha certeza de um veículo roubado/furtado, mas o retorno do aplicativo seja de "Situação Legal", isto se deve ao fato do boletim de ocorrência não ter sido encaminhado à base nacional. Para que isso não ocorra, o cidadão deverá voltar à delegacia e cobrar que o registro seja feito da maneira correta.


15. O Aplicativo Sinesp Cidadão disponibiliza consulta offline?
Não, pois as informações são atualizadas a todo o tempo e há a necessidade de consulta à base nacional para ter informações de forma confiável.


Por que o Aplicativo Sinesp Cidadão não responde quando está conectado a uma rede 2G ou 3G? Ou ainda, por que apresenta como resposta a mensagem "Timeout"?
Isso ocorre devido à fraca qualidade do sinal de internet disponibilizado pela operadora de telefonia móvel no momento da consulta, impossibilitando o aplicativo de consultar as informações solicitadas.

16. Por que o Aplicativo Sinesp Cidadão não responde quando está conectado a uma rede 2G ou 3G? Ou ainda, por que apresenta como resposta a mensagem 'Timeout'?
Isso ocorre devido à fraca qualidade do sinal de internet disponibilizado pela operadora de telefonia móvel no momento da consulta, impossibilitando o aplicativo de consultar as informações solicitadas.


17. O Aplicativo Sinesp Cidadão poderá fornecer informações sobre multas, IPVA, chassi e proprietário?
Não. Pois estes dados são sigilosos e poderiam ser utilizados por grupos mal intencionados. A finalidade do Aplicativo é ampliar a proteção a toda sociedade, disponibilizando consulta aos dados de veículos, para verificar se há registro de furto ou roubo, ou se os mesmos são clonados. Em breve a SENASP-MJ lançará Aplicativo direcionado aos profissionais da segurança pública com todas as funcionalidades necessárias para este fim.


18. Não consigo fazer a consulta no Aplicativo Sinesp Cidadão. O que devo fazer?
Mande-nos um e-mail (sinesp@mj.gov.br), descrevendo a falha apresentada, a marca e o modelo do aparelho.